S

A
A L A D E L E I T U R
HOME PAGE
ESCRITORES
PROFESSOR VIRTUAL
TESTES EDUCATIVOS
JOGOS LITERÁRIOS
SOB ENCOMENDA
SALA DE LEITURA
BUSCA LITERÁRIA
SEBO DA CULTURA

SALA DE LEITURA
ARTIGOS AUTO AJUDA CINEMA CONTOS CRÔNICAS ESOTÉRICO EXPRESSÕES
E-ZINE INFANTIL MEDITAÇÃO NOVELA POESIA PROVÉRBIOS TEATRO

Amor de ódio de Bacalhau e Marion

Autor: Plínio Marcos

O Bacalhau era o português mais munheca que já veio ao mundo. Como ele era ali, na morisqueta. Se mandou pro Brasil a fim de amarrar o burro na sombra. E nem queria saber: o lance era faturar. Pegava o batente de condutor de bonde. Linha 19. No reboque, que era mais fácil de engrupir fiscal. O bondão saía da estrada de ferro, atravessava o cais do porto de Santos e ia até o loló do Macuco. O Bacalhau ali, fazendo chover na sua horta, na velha base do agrião: dois pra companhia, um pra adiantar seu lado; tudo o que enfurnava, não saía mais. Seu sonho era, um dia, voltar pra Portugal bem calçado.
Com a muquinha pega na cuca, o cutruco amargava o talo, mas não chiava. Segurava as pontas. Forrava os peitos na pensão do Prato Feito e encostava o cadáver no cortiço do Assanhado, boca do desespero. Essa era, aliás, a escama do Bacalhau. Era só alguém apertá-lo, com lance de escapar da zorra, e logo vinha o deschavo: "Ora, ora...pois,pois...se eu fosse rico, não estava atrelado ao reboque do 19 e morando nessa joça." Com essas e outras, ele escapava de rifa, lista, mordida de parceiro.
Porém (e sempre tem um porém), não escapava do bochicho da curriola do cortiço; o Assanhado inteiro boquejava que o portuga unha-de-fome estava montado na grana. De tanto ligar suas antenas nesse bafo, a negrinha Marion, pistoleira escolada por muitos anos de janela, começou a paquerar o Bacalhau. A crioula queria botar a mão na bufunfa e cair fora da piorada que levava. O cutruco era o seu pedal. A Marion se guiava pelas dicas da Tabuada das Candongas, onde Mestre Zagaia dá sua pala: "Trouxa não precisa de grana". E se Mestre Zagaia diz, é porque é.
Por dentro dos assuntos, acreditando pacas na sua embaixada e na pinta de loque do cutruco, a crioula levava fé no remelexo. Olhava pro Bacalhau e via um bilhete premiado. E tome dengo. O portuga, que de otário só tinha a fuça, dava carga. Se servia. Ninguém falava em dinheiro. O Bacalhau não era mesmo desses arreglos e a crioula, que estava cozinhando o galo pra lance alto, deixava pra lá os pixulés. Até que chegou o dia do esquinapo.
Certa de que o seu cupincha estava entrutado no seu chamego, a Marion meteu ficha:
- Tou precisada de uma grana. É pra tirar um bacuri, que não pode ser: e tu que tem culpa.
Era chaveco. O portuga sacou. A Marion não era de parir há muito tempo. Ele cutucou:
- Deixa nascer.
Essa dica entortou a negrinha. Ela perdeu a esportiva e saiu na linha grossa:
- Não tem disso, não. Vai bufar, mas tem que gemer com o sonante. Pensa que eu sou palhaça? Vem cria, tu dá o pinote e eu fico aí, no ora veja, com nenê berrando e tudo. Quero grana. E já!
Foi um perereco. A negrinha viu que tinha tubulado. Fez um salseiro. Foi lenha dura. Deu banda no cutruco, que não era de comer enrolado, e fedeu. A moçada do cortiço veio cheirar. Acabaram entrando no pega-pra-capar. Baixou cana no Assanhado. Foi o gango todo explicar pro delegado o porquê do bate-fundo. O delerusca só deu uma espinafração sentida e mandou caírem fora, que o xadrez já estava entulhado de pilantra.
Pro Bacalhau, o caso tinha acabado nisso. Pra negrinha Marion, não...
Tinhosa, ela não é de deixar barato e quis jogar o labrego no chão. Apanhou uma cueca do cutruco e foi bater cabeça no congá de Mãe Begum de Obá, que tinha terreiro no Pau Grande e fama na Baixada Santista inteira. A crioula deu a cueca e uma nota pra macumbeira e ela botou pra quebrar. Mandinga forte. Bateu atabaque três sextas-feiras seguidas. Tudo quanto foi santo forte veio valer pra Marion.
Mas, que nada...O labrego não teve nenhum abalo. A crioula campaneou o portuga e se mancou que ele ia de vento em popa. Nenhuma carruíra grudou no pé do pinta; ele não caiu do bonde; estava se dando cada vez melhor com o mulherio do cortiço. Ou seja, ia levando em maré mansa.
A crioula ficou uma vara. Se picou de raiva e foi bronquear com a macumbeira.
- Tu é enganadeira. Pegou minha nota e não jogou o desgraçado do Bacalhau no chão.
- Não aconteceu nada com o teu homem? - a Mãe Begum se fez de boba.
- Não! Não! Não! O português está mais firme que uma rocha - berrou a negrinha.
- O cara é cutruco? - perguntou surpresa Mãe Begum.
- É português sim! Português salafra! - selou a atucanada Marion.
- Por que não avisou logo que o tal pilantra era labrego? Daí eu não pegava o trabalho - declarou aliviada Mãe Begum de Obá.
Diante do espanto da negrinha Marion, a mãe-de-santo pôs a maior banca:
- Escuta, minha filha: se macumba pegasse em português, crioulo nunca tinha sido escravo.

conto anterior

Conto anterior

          

Próximo conto

próximo conto