O duende, a fada e a sereia

Enviado por: Maria de Fátima Abreu de Oliveira

Contato: fatima_luthorclark@yahoo.com.br

Um dia, os elementares da natureza, fizeram uma reunião: Decidiriam em assembéia, quem era o mais importante no Reino Encantado, para o gosto das crianças e o equilíbrio do mundo. Cada elementar da Natureza tem seu papel importante, seja ele da terra, mar ou ar.
Mas todos se julgavam os melhores. Para esse impasse, então foi realizada a tal reunião.
Começando a assembléia, o Duende Chefe ( que era o mais velho ), bateu o martelinho e declarou aberta a sessão. Vieram seres encantados de todos os tipos, para essa votação: Gnomos, elfos, ondinas, ninfas, e outros...
Havia muito rebouliço de vozes e o Duende Chefe, pediu silêncio. Disse então, que o representante das fadas, o elfo Vladimir, iria falar.
O elfo então discursou sobre a importância das fadas, fosse para as crianças, fosse para o equilíbrio da natureza, desfiando uma série de fatos para demonstrar o que dizia.
Uma grande tela, como de cinema, pairava no ar e ele apontava e explicava...
Acabada a apresentação, foi a vez dos duendes. O duende Olavo, foi chamado para as suas considerações. Ele falou, falou, e depois de alguns minutos , foi vaiado. Começou um tumulto, e o Duende Chefe, bateu o martelinho mais uma vez.
Agra era a vez da ondina Susana. Falaria em favor de suas superiores, as sereias. Mostrou que o canto das sereias embalava o sono dos marinheiros cansados, que sua beleza era um bálsamo para os olhos ...
Expostas as considerações, o júri reuniu-se. Depois de muita conversa, acharam melhor decidir a questão, por desafios.
O primeiro desafio seria : Entrar em um caldeirão no meio da floresta, que estaria cheio de óleo bem quente. Quem ficasse mais tempo, seria o vencedor. Os juízes foram escolhidos: um centauro, um ogro e um mago ancião muito respeitado pelo seu alto padrão de justiça.
O primeiro a entrar no caldeirão foi o duende, seguido da fada e por último a sereia. O duende gritou de dor, a fada chorou, e a sereia fritou seu rabo de peixe!
Não houve vencedor. Todos saíram do caldeirão. Tal prova era dolorosa demais! Os juízes deram empate. Determinaram assim, a segunda tarefa: Quem trouxesse a bela flor que crescia em uma pedra, sem danificá-la, seria o vencedor. Só que essa flor, era devidamente protegida pelo gigante Tomásio. Passar por ele, seria sim o desafio! Partiram um duende, uma fada e outra sereia, carregada em um tonel cheio de água, para o monte onde a flor se encontrava.
O duende tentou distrair o gigante, fazendo cócegas no dedão do pé. A fada voou até os olhos do gigante, e com uma flor cheia de espinhos, furou seus olhos. A sereia pulou para fora do tonel e pegou a flor antes que o gigante percebesse, pois ele estava agoniado coçando os olhos. Usando de esperteza, a sereia ganhou o desafio. Mas, os juízes decidiram que foi empate novamente, já que todos trabalharam em grupo.
O terceiro desafio foi imposto: Se algum deles conseguisse fazer uma criança triste e pobre, sorrir novamente e ser feliz, venceria a prova.
Ali estava uma peleja que todos os competidores dentro de si, achavam que ganhariam! Seguiram em frente, à procura de alguma criança que precisasse de ajuda, nas condições impostas pelos jurados.
O duende achou um menino, que chorava por ter se perdido de seus pais. O duende aproximou-se e disse:
- O que houve menino? Chora por quê?
O menino contou sua história, e o duende propôs contar algumas piadas de seu repertório, para que ele se alegrasse. O menino disse que não adiantaria, só ficaria feliz de novo, quando encontrasse seus pais.
E o duende decidiu então, que ajudaria a procurar pelos pais do menino. Foi aí que teve a idéia de pedir à sereia Ornela, que cantasse bem alto, para que os pais do menino, que deveriam estar procurando por ele, pudessem ouvir. É sabido que o canto das sereias atraí as pessoas para onde elas estejam. A fada Coralina também ajudaria sobrevoando a floresta para ver se avistava os pais do menino, guiando-os assim, até ele..
Tudo acertado, finalmente os pais do menino, o acharam, com a ajuda dos elementares. Como eram muito pobres, cada um resolveu dar um presente, para ajudá-los: O duende deu um pote de ouro. A fadinha Coralina, deu uma casinha nova. A sereia Ornela, tirou de seus belíssimos cabelos, um diadema cravejado de pedras preciosas.
A família ficou muito feliz com esses presentes. Resolveram deixar também algo, como gratidão: A única ave que possuíam, presa em uma gaiola: Um belo canário. Os elementares da natureza, como não poderiam aceitar uma ave presa, deram a liberdade ao canário, abrindo a gaiola!
Os juízes, que tudo viram escondidos, resolveram dar o empate, mais uma vez. Todos voltaram para a reunião, no Reino Encantado. Quando chegaram, foram recebidos com muitas palmas.
O Duende Chefe que presidia a assembléia, bateu o martelinho e declarou:
- Senhoras e senhores, seres da Natureza, declaro por unanimidade, que todos os competidores envolvidos, são de igual importância. Sendo assim, não há vencedores. Todos nós fazemos parte de um ciclo vital e harmonioso. Sem a colaboração de cada um de nós, não haveria equilíbrio! Somos elementares e continuaremos com nosso propósito: O bem de toda criatura na face da Terra! Portanto, declaro encerrada esta assembléia!
E assim, no Reino Encantado, não mais se falou sobre competições, e sim na cumplicidade entre eles para o bem do Planeta Terra.

Conto anterior

Conto anterior

          

Próximo conto

Próximo conto