O ardor da dor

Autor: Luiz Eduardo de Carvalho Pinheiro

Cinza como concreto
O mundo se colore fúnebre
O sol se esconde
Atrás do monte que nos une
Faz tempo que a chuva cai
Mas a rua já não inunda
A água evapora
Na medida que a terra afunda
E a tristeza dos meus passos
Deixam pegadas nesse chão
Rastros de lágrimas
Trechos de uma canção
De amor
Ou será de paixão?
E tal ardor
Que não cessa
E a brasa
Que não apaga
Simplifica meu sofrer
Com a mesma força
Que me arrasa