Sobre os pobres

Autora: Irmã Dulce

Muita gente acredita que não devemos dar aos pobres a mesma atenção que damos às outras pessoas. Para mim, o pobre, o doente, aquele que sofre, o abandonado, é a imagem de Cristo [...]. Se virmos o pobre com esses olhos, o seu exterior, o estar sujo, cheio de parasitas, com grandes chagas, não nos incomodará, pois na sua pessoa está presente o Cristo sofredor.
Somente quem convive com o pobre pode compreendê-lo. Muita gente pensa que faço muito, que concedo muita atenção aos pobres, e me criticam por isso.
Cada um de nós não gostaria de ser bem recebido, de ser bem tratado? E o pobre não possui o direito de ser bem acolhido, de receber todas as atenções espirituais e materiais? [...] Fazemos muito por eles? Eu pergunto: é muito o que fazemos por Deus? Ele não merece tudo de nós? Se o pobre representa a imagem de Deus – Estava nu e me vestiste, doente e me visitaste, com fome e me deste de comer (cf. Mt 25,35-36) -, então, pode ser demais aquilo que fazemos pelos pobres?
Extraído do livro: Irmã Dulce, o anjo bom da Bahia – Autor: Gaetano Passarelli. Compre e leia o livro, vale a pena. Prestigie o trabalho do autor.

menu de meditações

Menu de meditações

          

Próxima meditação

próxima meditação