S

A
A L A D E L E I T U R
HOME PAGE
ESCRITORES
PROFESSOR VIRTUAL
TESTES EDUCATIVOS
JOGOS LITERÁRIOS
SOB ENCOMENDA
SALA DE LEITURA
BUSCA LITERÁRIA
SEBO DA CULTURA

SALA DE LEITURA
ARTIGOS AUTO AJUDA CINEMA CONTOS CRÔNICAS ESOTÉRICO EXPRESSÕES
E-ZINE INFANTIL MEDITAÇÃO NOVELA POESIA PROVÉRBIOS TEATRO

Poesia indecente

Quer seja curto ou comprido
Quer seja fino ou mais grosso
É um órgão muito querido
Por não ter espinhas nem osso
(hum!)

De incalculável valor
Ninguém tem um a mais
E desempenha no amor
Um dos papéis principais
(ai! ai!)

Quando uma dama aparece
Hei-lo a pular com fervor
Se é um rapaz, estremece
Se é velho, tem pouco vigor

O seu nome não é tão feio
Pois tem sete letrinhas só
Tem um R e um A no meio
Começa em C e acaba em O
(Oh!)

Nunca se encontra sozinho
Vive sempre acompanhado
Por outros dois orgãozinhos
Junto de si, lado a lado
(ploc! ploc!)

O nome destes porém
Não gera confusões
Tem sete letras também
Tem L e acaba em OES

Prá acabar com o embalo
E com as más impressões
Os órgãos de que eu falo...

São o coração e os pulmões.
(tum... tum.. tum...)

PENSOU BESTEIRA NÉ ????

poesia anterior

Poesia anterior

          

Próxima poesia

próxima poesia