S

A
A L A D E L E I T U R
HOME PAGE
ESCRITORES
PROFESSOR VIRTUAL
TESTES EDUCATIVOS
JOGOS LITERÁRIOS
SOB ENCOMENDA
SALA DE LEITURA
BUSCA LITERÁRIA
SEBO DA CULTURA

SALA DE LEITURA
ARTIGOS AUTO AJUDA CINEMA CONTOS CRÔNICAS ESOTÉRICO EXPRESSÕES
E-ZINE INFANTIL MEDITAÇÃO NOVELA POESIA PROVÉRBIOS TEATRO

Comunhão com a natureza

Acordei quando a manhã
se vestia de luz para receber o dia.
O sol, espreguiçando-se por detrás das nuvens,
derramava seus raios mornos pela terra.

Abrindo a janela, senti uma grande alegria
e desejei orar ao Criador de todas as coisas,
ao Pai de todos nós.
Queria dizer tantas coisas!
Mas como se pode, sendo tão pequeno,
dizer coisas grandiosas a quem é tão onipotente?

Desejei abraçar o dia e servir,
fazer algo útil, bom, especial.

Como se pode agradecer ao pai generoso
por tantas dádivas senão buscando
se tornar um servidor para as suas criaturas?

Entre a timidez e a emoção,
com o coração a cantar em descompasso no peito,
comecei:

Meu Deus e meu Senhor.
Eu gostaria tanto de poder colaborar contigo.
Eu gostaria de ser um jardim de flores,
de todas as cores, para embelezar a terra.
Mas, na pobreza que minha alma encerra,
se não puder ser um jardim,
deixa-me ser uma rosa solitária,
em uma fenda da rocha,
colocando beleza no painel nobre da natureza.

Eu gostaria de ser um canteiro perfumado,
onde as abelhas viessem colher o néctar,
para produzir o mel que alimentaria bocas infantis.

Eu gostaria de ser um trigal maduro,
para colocar pão na mesa da humanidade.

Mas, é demais para mim.

Como não poderei ser uma seara,
ajuda-me a ser o grão,
que caindo no chão, se multiplique num milhão.
E me transforme em pão para os meus irmãos.

Eu gostaria de ser um pomar
de frutos maduros para acabar com a fome.
Mas na pobreza que me consome,
te venho pedir para ser uma árvore desgalhada,
projetando sombra na estrada.
Talvez alguém, em passando de mansinho,
por esse caminho possa me dizer "olá".
E respondendo, eu estenda a mão e me ofereça:
"sou teu irmão, sou teu amigo."

Eu gostaria de ser como uma chuva generosa,
que caísse na terra porosa e enverdecesse o chão.
Mas, como não conseguirei, então,
te pedirei para ser um copo de água fria
que mate a sede de quem anda na desesperação.

Eu gostaria de ser um riacho
que descesse a encosta da montanha cantando,
por entre as pedras,
ofertando linfa refrescante às árvores
que protegem o solo.

Meu Deus!
Eu gostaria de ser como a via-Láctea de estrelas
para que as noites da Terra fossem mais belas
e a dor debandasse, na busca de um novo dia.

Mas, na minha pequenez, sem conseguir,
te quero pedir para ser um pirilampo na noite escura,
iluminando a amargura de quem anda na solidão.

Eu gostaria de ser um poeta, um artista, um trovador.
Quem sabe um cantor, um esteta, orador
para falar da magia e da beleza da tua glória.

Mas, como eu quase nada sou,
como me falta o verbo, a mestria,
então, eu te peço, Senhor,
para ser o companheiro da criatura deserdada.
Deixa-me caminhar pela estrada
e estender a mão a quem anda solitário e triste.
Deixa-me ser-lhe a mão de sustento e lhe dizer:
"sou teu irmão, estou contigo. Vem comigo."

poesia anterior

Poesia anterior

          

Próxima poesia

próxima poesia