S

A
A L A D E L E I T U R
HOME PAGE
ESCRITORES
PROFESSOR VIRTUAL
TESTES EDUCATIVOS
JOGOS LITERÁRIOS
SOB ENCOMENDA
SALA DE LEITURA
BUSCA LITERÁRIA
SEBO DA CULTURA

SALA DE LEITURA
ARTIGOS AUTO AJUDA CINEMA CONTOS CRÔNICAS ESOTÉRICO EXPRESSÕES
E-ZINE INFANTIL MEDITAÇÃO NOVELA POESIA PROVÉRBIOS TEATRO

Último Adeus

Autor: Alexandre Lima

Contato: heruscat@hotmail.com

Quase duas décadas de vida,
Felicidade caluniosa,
Uma prisão sem saída.
O mundo gira ao contrário,
Em sentido anti-horário,
Mostrando às suas sombras
O medo e a culpa.

Por que não arriscar, se o vento é infinito?
Por que não comprovar que o tempo rege o destino?

A vida é uma ampulheta,
Que passa pelo "acro" da "bio"...
A língua morta, torta, imortal,
Assim como minhas perspectivas
De viver mais um segundo
Nesse mundo de tentativas.

Já não consigo distinguir o certo do errado,
Por isso, a cada dia,
Tenho apagado as marcas que em mim ficaram...
E quando achava que sorria,
Vocês me enterraram.

Está tudo escuro!
Minhas palavras não surtem efeito!
Já não vejo minha face...
Nada sinto...
Meu coração parou de bater?!
Eu morri?!
Na verdade, eu nunca existi...
Tentei nascer no seu coração,
Crescer, me proliferar,
Mas você contaminou-se com a pior das pragas,
O mais infétido dos sentimentos: o egoísmo.
Por isso, agora, vou partir...
Na sua "insanidade" me manifestei,
E, após, você me desprezou.
Agora me vou,
E comigo te levarei,
Pois me chamo Amor,
E sem amor, homem algum é capaz de viver!

poesia anterior

Poesia anterior

          

Próxima poesia

próxima poesia