Nênia de abril (Música)

Autor: Luiz Alberto Machado & Sérgio Campos

Sou um poeta obscuro. Os meus companheiros são poetas obscuros.
Nosso país é o amor subterrâneo em sagração de interiores catedrais.
Porquanto seja nosso pranto anônimo, choramos nossos mortos sozinhos.
Nosso embalar ainda é canto inaudível nas praças e nas avenidas do povo.
Lambemos nossas feridas ignoradas e nossos cantos codificam perdas. Mas se o país é triste somos tristes porque é de nós sofrer a aflição geral.
Somos cidadãos de um trágico país cuja desgraça ataca sempre e cedo.
Antes que os nossos filhos denunciem o luto secular de seus abris.
O que é melhor em nós desfaz-se em perda.
O que tocamos nos trai com seus punhais.
Perpetramos nosso sonho coletivo e o velamos, mas quando tangemos é tarde demais.
Enfim quando se vai o que é do povo aqui na terra se depõe perto de nós. É quando os obscuros cantam suas nênias para embalar o amado enquanto morto.
Sou um poeta obscuro. Meus companheiros são poetas obscuros. Nosso país é o amor.

Contato: www.luizalbertomachado.com.br


poesia anterior

Poesia anterior

          

Próxima poesia

próxima poesia