Pergunta: Análise da canção "Devolva-me".

Devolva-me

Autores: Renato Barros & Lilian Knapp
Gravação original em 1966 por Leno e Lilian

Rasgue as minhas cartas
E não me procure mais
Assim será melhor, meu bem!
O retrato que eu te dei
Se ainda tens, não sei
Mas se tiver, devolva-me!
Deixe-me sozinho
Porque assim
Eu viverei em paz
Quero que sejas bem feliz
Junto do seu novo rapaz

Rasgue as minhas cartas
E não me procure mais
Assim vai ser melhor, meu bem!
O retrato que eu te dei
Se ainda tens, não sei
Mas se tiver, devolva-me!
O retrato que eu te dei
Se ainda tens, não sei!
Mas se tiver
Devolva-me!
Devolva-me!
Devolva-me!

Quem é o interlocutor do eu lírico?

Nunca se esqueça que uma obra de arte literária pode ter diversas interpretações, e a que apresento é a que me veio de imediato ao ler o texto. O interlocutor é descrito como sendo o parceiro de relacionamento afetivo do eu lírico. Estão em crise neste relacionamento e num momento de separação emocional e material. Não há como afirmar se o interlocutor é homem ou mulher, mas tudo indica que seja mulher pelo fato do texto ter sido escrito na década de sessenta por duas pessoas de sexo oposto. A presença do retrato, das cartas, e do outro rapaz; também reforçam esta ideia.

Qual parece ser o sentimento do eu lírico em relação a seu interlocutor?

Um sentimento de amargor denota a hipótese de que o eu lírico tenha sido traído em seus sentimentos. Apesar disso, ele encontra-se ainda muito ligado a este relacionamento. Daí a enfase em querer que as mínimas ligações sejam rompidas. Ele anseia por estabelecer distância do interlocutor com a finalidade de se recompor emocionalmente. Porém, mesmo assim lhe parece difícil recuperar a estabilidade, por isso o título do texto, Devolva-me. O eu lírico não quer a devolução das coisas materiais, mas na verdade, quer a devolução de si próprio, que está nas mãos do interlocutor.

Quais trechos revelam esse sentimento?

Estes sentimentos do eu lírico são revelados em todas as frases expostas durante o decorrer do texto. O fato de não querer mas ser procurado, a dúvida quanto a manutenção do retrato pelo interlocutor, a necessidade de ficar sozinho para buscar a paz, a enfase em pedir uma devolução de forma genérica, etc.

A colocação pronominal contribiu para tornar a linguagem desses versos mais formal ou mais informal? Justifique sua resposta explicando a colocação dos pronomes.

Embora o eu lírico queira dar um tom formal ao seu discurso, o uso constante de pronomes pessoais demonstram claramente a informalidade de tratamento aplicada em relação ao seu interlocutor. Este uso constante de pronomes pessoais, particularmente em relação ao próprio eu lírico, reforça a necessidade que ele sente em reaver a sua própria individualidade perdida durante este relacionamento em declínio.

Pronome Pessoal
Reto: Eu, tu, ele, ela, nós, vós, eles, elas.
Oblíquos tônicos: mim, comigo, ti, contigo, si, consigo, conosco, convosco.
Oblíquos átonos: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes.

Pronome Possessivo: Meu, minha, meus, minhas, teu, tua, teus, tuas, nosso, nossa, nossos, nossas, vosso, vossa, vossos, vossas, seu, sua, seus, suas.

Pronome Demonstrativo: este(s), esta(s), isto, esse(s), essa(s), isso, aquele(a), aqueles(as), aquilo.

Pronome Relativo: Que, quem, cujo, onde, quanto, quando.

Pronome indefinido: Alguém, ninguém, outrem, qual, algo, tudo, nada, todo, algum, nenhum, certo, outro, muito, pouco, qualquer, cada.

Pronome Interrogativo: Que, quem, qual, quanto. Empregado em perguntas.

Menu de perguntas

Menu de perguntas

          

Próxima pergunta

Próxima pergunta