Terapia da Cozinha

TEMA

Dicas para ajudar a cidade ser sustentável.

A sustentabilidade em uma cidade é formada por uma grande quantidade de itens. Muitos deles entram em conflito com as necessidades do mercado de consumo, e sabe como é, capitalista não dá colher da chá para ninguém, muito menos para o meio ambiente. Outra coisa, a comodidade é boa e poucos irão abandonar os pequenos prazeres da sociedade moderna? Mesmo assim o sentimento de preocupação das pessoas vem crescendo, sobretudo por conta da falta de água que atinge, agora, praticamente todo o país. Então vamos com algumas dicas:

Água: Uma cidade deve ter um plano de obtenção de água, e de escoamento via esgoto e também pluvial, que são as águas das chuvas, e sempre que possível, reaproveitando-as.

Construção: Conter construções em áreas de risco, preservando-as para o meio ambiente urbano como parques e oficinas de florestas. Tratamento adequado aos entulhos resultantes das construções. Um bom plano diretor para evitar o crescimento desordenado da cidade.

Transporte: Maior implementação e uso de trens, bondes, teleféricos, bicicletas, skates, tênis, etc. Tudo que não use petróleo, e se possível, que não use energia elétrica. Para isso as cidades devem construir ciclovias e calçadas de qualidade e com segurança para o usuário. Para mim, o veiculo movido a petróleo tornou-se um dos maiores males da sociedade.

Reciclagem e o lixo: Tem que ter um tratamento adequado para tudo isso, e a população tem que consumir somente o necessário e de preferencia produtos com embalagem reciclável ou que possa ser decomposta em um tempo curto.

Alimentos: Cultivo orgânico é a moda, embora duvido de muitos destes produtos. Não temos garantia nenhuma de que são mesmo sem agrotóxicos. Alimentação mais natural, com grãos, frutas, legumes, etc. Seus resíduos são decompostos rapidamente e fazem bem para a saúde.

Saúde: Hospitais, pronto socorro, samu... Isto é sustentabilidade da vida humana, e a cidade não existe sem estas vidas. Trato do lixo hospitalar, combate aos mosquitos, e muito mais.

Energia: Cidades com muito tempo de sol podem ter muitas casas com aquecimento solar. Locais de praia tem a força dos ventos. Quedas d'água também geram energia. Existem sensores que podem desligar as luzes das ruas em determinados momentos, é comum vermos cidades inteiras dormindo acesas na madrugada. Sem contar que os habitantes podem e devem poupar.

Segurança: Polícia, bombeiro, salva vidas, etc. É questão de sustentabilidade salvar vidas e patrimônios, e conter a criminalidade. Pense em quantos carros são roubados por ano para serem desmanchados, o que significa que as vitimas comprarão outro, o que leva a mais consumo da matéria prima.

Educação: Quer poder de sustentabilidade maior que este? Pela educação tudo é possível, principalmente as coisas boas. Quase ninguém acredita, mas tudo passa pela educação. Através dela surgem os grandes gênios com real poder de mudar os rumos da sociedade.

Trabalho: Todas as pessoas devem ter um emprego com salário justo, capaz de favorecer à uma condição de dignidade e felicidade. É questão de sustentabilidade pelo fato de que na miséria, o ser humano é capaz de tudo. Entre um produto orgânico caro e um cheio de agrotóxico barato, não precisa nem perguntar qual o miserável irá pegar. E o que dizer sobre as invasões...

Turismo, extrativismo, lazer, arborização, preservação da natureza, poluição sonora e visual, etc. É como disse no inicio, são tantos itens que podem ser associados a sustentabilidade de uma cidade que daria um livro e não uma redação. Agora, pense que grande parte de tudo isso passa pelo poder público na figura do prefeito, vereador, governador, deputado, senador e presidente. Então, uma das maiores ações que podem gerar benefícios de sustentabilidade para a cidade está no voto. Se a comunidade votar, eleger, e não ver nada acontecer; deve banir o cidadão da política, nunca mais o elegendo. Lembre-se! O brasileiro tem que parar de esquecer.

Autor: Arnold Gonçalves


Redação anterior

Redação anterior

          

Próxima redação

Próxima redação